Livros e Artigos

[disponibilizo livros e artigos para download em Academia.edu e Scribd]

Páginas

sábado, 9 de janeiro de 2010

Jazz Fusion

Se a minha adolescência foi embalada pelo rock, depois de 'velho' comecei a ouvir jazz - sem abandonar o rock, logicamente. Minha entrada no jazz foi com Tom Jobim. Brazilian jazz, diriam os gringos.
O que me fascina no jazz é a abertura extrema às fusões. Fusões de ritmos, de estilo. Fusões de culturas, em última análise. Claro que há, como em todo estilo musical, uma vertente fundamentalista que toca um jazz cartesiano, preso à forma, acadêmico - no pior sentido da palavra.
Bueno. Escrevo este post para compartilhar uma descoberta incrível: Hamilton de Holanda.
Na quinta-feira, junto com a Mari, a Raffa e o Achutti, fomos assistir a noite de abertura do 14o Festival Internacional de Jazz de Punta del Este. Sempre há uma 'noite do Brasil', inclusive com o apoio da Embaixada brasileira, e o Festival iniciou com o Benjamin Taubkin Trio + 1 e, após sua apresentação com a convidada Tatiana Parra, subiu ao palco o Hamilton de Holanda Quinteto.
Indescritível a apresentação da banda. Mais: ontem, no intervalo das apresentações do Franco Luciani Cuarteto (AR) e da banda da Terri Lyne Carrington (EUA), Paquito D'Rivera (Cuba/EUA), diretor musical do evento, fez uma jam denominada Jazz entre Amigos com a participação especialíssima do Hamilton de Holanda.
Abaixo uma apresentação do quinteto, interpretando Brasilianos.
Brazilian jazz na veia! No melhor da tradição das fusões que, como ninguém, sabemos fazer - não só na música.

11 comentários:

Germano Schwartz disse...

Acho que ainda não cheguei na idade de curtir jazz ou eu parei no tempo. O fato é que não suporto jazz ou bossa nova.

SC disse...

Ô Germano, tirando Banda Fuga tá difícil nos entendermos musicalmente!
He he he

Anônimo disse...

Frank Sinatra é jazz? Se for, tá valendo! Aliás, no post do seu aniversário, "My Away" (para mim)seria a trilha sonora perfeita, ela e "Forever young" na versão do Alphaville. São músicas que eu sempre escuto em meus niver´s.

"Bueno", se fosse uma redação, o comentário seria fuga ao tema (acadêmica no pior sentido da palavara?).

A verdade é que conheço muito pouco sobre o jazz, mas pelo vídeo parece ser bom. E gosto bastante quando vc escreve sobre música. A série "Divagações" tb é muito boa!

Talvez eu me arrependa disto, mas posso fazer um pedido? Escreve sobre os beatles?!

Raffaella disse...

Coisa LOCA: baita lugar, baita música e em excelente companhia!!

Achutti disse...

Deuzulaivri!! Hamilton chutou o balde! Bom demais o som deles!
E não adianta mesmo: esse é o tipo de mistura que não dá pra esperar que um aristocrata faça...

Germano Schwartz disse...

Salo,

Acho que parei no tempo mesmo. qualquer coisa que não tenha bateria, guitarra, baixo e teclado, é difícil de eu ouvir. Mais. Tem de ser alto. De preferência, no carro. Aí nem adianta ligar no meu celular. Ouço nada. Pior: quase nada do que o rock fez nos anos 90 e 2000 é do meu agrado. Estou em uma zona meio LOST: início dos 70 até o final dos 80.
Pensando bem, estou naquela fase em que chego na aula e falo de uma banda X dizendo que é novidade e o aluno diz que isso é velho...
Too old...
Mas, vai lá e vê essa banda que canta em euskera (coleciono cds de rock cantado em outras línguas)
http://www.youtube.com/watch?v=o0-LjfbHuGg
Está traduzido. Ainda tenho uma certa juvenília ideológica com o rock....
É disso que gosto nele e sinto falta no jazz....
T+
Germano

SC disse...

Anonimo, é possível dizer que Sinatra é jazz. Assim como o rock e o blues, existem várias espécies de jazz. Um dos grandes discos do século passado, para mim - desculpa ai ô Germano - é do Sinatra com o Tom Jobim. Indescritível. Dá uma ouvida para ver que maravilha!.
Qto aos Beatles, quando pintar motivo, certo que escrevo.
Abraço
SC

SC disse...

Ô Germano, "Ken Zazpi"? Baladinha meio poser, não? Ha ha ha!

Germano Schwartz disse...

Salo,
DEu uma olhada na letra???? A música é comunzinha....
Ouvirei tua dica.
T+
Germano

Anônimo disse...

"Bueno", neste exato momento estou ouvindo "Boys don´t cry" do The Cure. Mas a dica é sim excelente. A morte de Tom Jombim, não sei o motivo, é uma das lembranças de minha infância. Acho que desde pequena eu ouço.
A bossa é tão charmosa, Germano. Não sei o motivo da implicância...Escuta o Salo, ele sempre tem algo bom a dizer!
E fico aguardando o post dos Beatles.

Germano Schwartz disse...

Tentei, juro.... Não dá... Não consigo....Durmo no meio da música....