Livros e Artigos

[disponibilizo livros e artigos para download em Academia.edu e Scribd]

Páginas

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Política de Drogas


Na sequência do recebimento do e-mail do Luiz Eduardo, a Julita Lemgruber remeteu artigo publicado no domingo no Jornal "O Globo", autorizando divulgação.
Impressionante o espaço dado pelos meios de comunicação de massa, do centro do país, à questão da descriminalização das drogas, durante este final de semana.
E na Província de São Pedro a imprensa não permite sequer a possibilidade de debate, reproduzindo pânicos morais com campanhas do tipo "Crack, nem pensar." Como repete o Raccius Potter, meu orientando do PPGCCrim que está escrevendo sobre o uso e o abuso do crack em Porto Alegre: "seria bem melhor pensar..."

UMA POLÍTICA FRACASSADA
Julita Lemgruber - Socióloga e Diretora do CESeC/UCAM
Uma mulher de 24 anos levava sua filha no colo, andando pela Favela Kelson, no último final de semana. Foi derrubada com um tiro de fuzil pelas costas e morreu. O bebê de 11 meses também foi baleado e sua vida corre risco. Quem viu a cena diz que a polícia entrou atirando. Polícia ou bandidos, Ana Cristina Costa do Nascimento foi vítima de uma bala perdida e morreu. Um episódio como este provocaria reações indignadas em qualquer país ou cidade do mundo. E no Rio de Janeiro, ouvimos vozes indignadas? Só dos moradores da Kelson.
Desde o último dia 17 de outubro já morreram mais de 40 pessoas nos embates entre a polícia e os traficantes. Todas nas áreas mais pobres desta triste cidade. Quatro delas são “vítimas inocentes”, segundo a própria polícia. E, nesta conta, não somaram a morte de Ana Cristina.
Temos ouvido críticas a um governo que optou pela estratégia do confronto permanente que provoca mortes de todos os lados? Mortes entre os bandidos e entre policiais, inclusive os tripulantes do helicóptero da PM, transformados em “camicases involuntários”, nas palavras do juiz Walter Maierovich? E mortes entre aqueles que não têm condição de morar em outro lugar a não ser nas favelas controladas pelo poder armado do tráfico ou das milícias. Não, não ouvimos vozes indignadas. Ao contrário, só ouvimos vozes que parecem acreditar que violência se combate com violência. Só ouvimos vozes a entoar que nunca antes, em nosso estado, a polícia foi tão firme ou o governo enfrentou os bandidos com tanta disposição.
E, o que é pior: a banalização da morte chegou a tal ponto que muitos já não se emocionam mais com coisa alguma. Ricardo Noblat, nas páginas deste jornal, narrava outro dia que um amigo seu, ao se referir à morte do Evandro do AfroReggae, disse que morria gente todo dia no Rio; logo, por que tanto espanto?
Com a instalação das chamadas Unidades Pacificadoras, particularmente aquelas do Santa Marta e do Leme (porque, afinal de contas, na Cidade de Deus o “sucesso” é discutível e no Batan a iniciativa tem caráter diferenciado), o governo estadual obteve sucesso. No entanto, o marketing foi, no mínimo, exagerado. Afinal de contas, isto é uma gota num oceano de problemas. São 1020 favelas no Rio de Janeiro, a maior parte submetida ao controle armado de traficantes ou de milicianos. Da Maré ao Alemão, da Providência ao Jacaré, da Rocinha ao Borel, do Vidigal ao Juramento, da Vila Aliança à Carobinha, de Camará ao Barbante, as coisas permanecem como sempre estiveram: bandidos armados controlando o território e gerenciando seus negócios, muitas vezes com a conivência da parte corrupta das polícias.
Está mais do que na hora de as autoridades deste estado, incluindo nosso governador, admitirem que a estratégia de combate à criminalidade que aposta no confronto fracassou. Vamos continuar aplaudindo a instalação das Unidades Pacificadoras, sim, mas devemos, enquanto sociedade que não quer apostar na barbárie, condenar uma polícia que continua a invadir favelas sem qualquer planejamento mais criterioso, mantém tiroteio com traficantes durante horas, submetendo populações locais ao pavor, com resultados pífios. Todo mundo sabe que tráfico de drogas existe em qualquer cidade do mundo. O que não se vê em outras cidades do mundo são traficantes e polícia fortemente armados, trocando tiros em vias públicas e áreas residenciais.
Continua-se repetindo como um mantra que isso é necessário para “combater” a criminalidade. Os resultados mostram, ao contrário, que isso só dissemina o terror, incita a sanha de vingança e amplifica a barbárie, sem qualquer efeito visível na redução do tráfico de drogas ou das armas ilegais em circulação.

5 comentários:

r.timmsouza disse...

"E na Província de São Pedro a imprensa não permite sequer a possibilidade de debate, reproduzindo pânicos morais com campanhas do tipo "Crack, nem pensar." Na Província de São Pedro, há uma pressão anti-discussão muito grande que se explica certamente pelo envolvimento cada vez mais público - e "descontrolado" - de "poderosos" em várias das pontas da questão... Alguém, algum dia, terá que achar a forma certa de dizer o que todo mundo já sabe há muito: que o rei está realmente, terrivelmente nu... Tvez aí não haja como fugir do assunto...
Abração,
RTS.-

Marcelo Mayora disse...

"Com prudência, mas também com audácia, temos de nos rebelar contra esse perverso relicário de iniquidades."

Muito bom.

Guigo disse...

Po...logo agora que leio sobre o panico em "A sociedade excludente" há um post aqui que esta dentro do anteprojeto que escrevo!
Espero que n~~ao achem que copiei a ideia!

Anônimo disse...

Terminarei a palestra de hoje com a Julita...

Mario Barbosa (de Florianópolis) disse...

As autoridades querem nos fazer acreditar numa coisa, que "o rio de janeiro continua lindo!". Me parece que tem mais gente além das autoridades que quer acreditar nisso. O problema são as consequências!