Livros e Artigos

[disponibilizo livros e artigos para download em Academia.edu e Scribd]

Páginas

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Aborto, Saúde da Mulher e Eleições

É lamentável perceber que o tema do debate do 2o turno das eleições para Presidente da República - República, lembre-se, regime que pressupõe um Estado laico e secularizado -, seja "qual o candidato que tem a posição mais contundentemente contrária ao aborto". Logicamente, como todos podem perceber, o objetivo é alcançar os votos evangélicos da homofóbica Marina Silva, autointitulada terceira via da política nacional.
Enquanto o debate fica praticamente restrito às convicções religiosas de Dilma e Serra, novos estudos apontam o impacto da criminalização no nosso sistema de saúde. E, inevitavelmente, o debate sério sobre a descriminalização é (novamente) inviabilizado.

Aborto supera câncer de mama em internações pelo SUS
A interrupção da gravidez provocada – sem ser a espontânea ou por motivos médicos – é um dos procedimentos que mais ocupa leitos dos serviços públicos e privados na área de saúde da mulher.
Nos seis meses primeiros meses de 2010 foram 54.339 internações por este tipo de ocorrência, uma média de 12 casos por hora.
Os números registrados entre janeiro e julho são 41% superiores à soma de internações por câncer de mama e câncer de colo do útero (38.532), duas doenças consideradas pelos governos federais, estaduais e municipais como grandes desafios de assistência ao sexo feminino.
O assunto saiu do anonimato diário de muitas mulheres para virar tema político. Neste segundo turno das eleição presidencial, José Serra (PSDB) e Dilma Roussef (PT) pautaram suas agendas para falar sobre – ou evitar – o tema.
Custos
O levantamento, feito pelo Delas no banco virtual do Ministério da Saúde, mostra ainda os custos do aborto provocado considerado crime pela legislação brasileira. No período analisado, foram gastos R$ 12,9 milhões para internar mulheres com hemorragias, infecções ou perfurações desencadeadas após o procedimento realizado em clínicas clandestinas. Para chegar ao dado, a reportagem excluiu do mapeamento o total de internações por "aborto espontâneo" (66.903 registros em seis meses) e "aborto por razões médicas" (905). Só foi considerada a categoria "outras gravidezes que terminam em aborto".
“São dados que mostram como a criminalização e a manutenção do aborto na clandestinidade são ineficazes do ponto de vista da saúde”, afirma o médico Thomaz Gollop, diretor da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência e coordenador do Grupo de Estudo sobre o Aborto (GEA), que reúne médicos, psicólogos e juristas.
“Ainda que a legislação faça com que estas mulheres não possam ser atendidas incialmente nos hospitais (para a realização do aborto) elas chegam depois, machucadas e em estado grave de saúde. Em Pernambuco, o aborto é a principal causa de morte”, diz Gollop, ao explicar porque considera a legislação atual um contrassenso.
Outros números
Além das internações por interrupção provocada da gravidez, outros números conseguem mapear a extensão do aborto no Brasil. Quando o procedimento não é completo, as mulheres submetidas a ele precisam recorrer a alguma unidade de saúde para fazer a curetagem – sucção de restos da placenta, do embrião ou do feto.
Segundo um estudo divulgado pelo Instituto do Coração (Incor) – divulgado este ano – a curetagem é o procedimento hospitalar mais realizado no País. Em média, são feitas 250 mil por ano, em valores que superam R$ 30 milhões.

Fonte: Fernanda Aranda, Agência IG São Paulo, 08.10.10

3 comentários:

Germano Schwartz disse...

De minha parte, caso a Dilma tivesse reafirmado o pensamento de que o aborto deveria ser descriminalizado, teria meu voto. Pelo jeito arcaico de fazer política, e, principalmente, pela visão retrógrada a respeito do tema, perdeu o respeito. E não me venham com papos polarizados entre partido pior ou proposta melhor. Qual a razão de ela mudar o pensamento? Isso é o que me deixa perplexo. Ela é simples. Eleger-se. Para isso faz-se qualquer coisa (o outro também). Enquanto isso gente vai morrendo e a hipocrisia come solta....

Jordana disse...

É um tema delicado,mas muito pertinente diante de uma constatação destas.Com tantas mulheres sendo atingidas pelo câncer,tanto de mama quanto de colo,como pode mulheres cheias de saúde submeterem-se a uma invasão ao corpo delas,como é o aborto?Além do fato de que o aborto não deixa de ser um assassinato.O que é mais fácil?Evitar uma gravidez indesejada ou matar um bebê?Hoje em dia há acompanhamento até em hospitais públicos para que as mulheres fiquem grávidas,se não desejam ser mães.É uma triste realidade.Mas para aquelas que engravidam de forma responsável,há um apoio de todo tipo para uma gravidez tranquila e um parto feliz.Acredito que é bom a futura mamãe ter por perto a família,o marido,os amigos e,é claro,bons médicos(obstetra,ginecologista,pediatra).Quero compartilhar aqui o link de um plano de saúde que pode ajudar.

http://migre.me/1pRlp

Mari disse...

Talvez seja simples: as mulheres que se submetem ao SOFRIDO procedimento do aborto entendem que a invasão ao corpo delas é, naquele momento, a gravidez, indesejada por algum motivo plausível, em geral. Negar-lhe este direito reprodutivo/sexual é negar-lhe um direito humano próprio da condição de ser mulher.